Fechar

Com 50 anos de actividade, a Trivalor, SGPS, S.A. é uma holding de capital 100% nacional que actua no segmento de Business & Facility Services, nas áreas de gestão integrada de serviços, serviços partilhados, saúde e segurança no trabalho, restauração colectiva, restauração pública e catering de eventos, vending, representações e logística, produção alimentar, produção industrial, segurança humana e electrónica, limpeza, benefícios e incentivos, manutenção e gestão de facilities, gestão documental e trabalho temporário e outsourcing.

A abrangente oferta de serviços da Trivalor tem como destinatários empresas e outras organizações públicas e privadas, a operar em diferentes sectores - desde a indústria aos serviços (banca, saúde, ensino, forças armadas e de segurança).

www.trivalor.pt

A nova roda dos alimentos

  • A Nova Roda dos Alimentos mantém o seu formato original, pois este é já facilmente identificado e associa-se ao prato, sinal da nossa cultura alimentar em torno da mesa.
    Para além dos objetivos pedagógicos de índole nutricional, tem em consideração a promoção de valores culturais e sociais relacionados com a sociedade portuguesa. Alimentos da nossa tradição, como o pão de qualidade, o azeite, o pescado, as leguminosas ou os hortícolas foram valorizados.
  • Esta é composta por 7 grupos de alimentos de diferentes dimensões, os quais indicam a proporção de peso com que cada um deles deve estar presente na alimentação diária, e cujas porções diárias recomendadas são as seguintes:
  • Cereais e derivados, tubérculos – 4 a 11 porções (28%)
    Hortícolas – 3 a 5 porções (23%)
    Fruta – 3 a 5 porções (20%)
    Lacticínios – 2 a 3 porções (18%)
    Carnes, pescado e ovos – 1,5 a 4,5 porções (5%)
    Leguminosas – 1 a 2 porções (4%)
    Gorduras e óleos – 1 a 3 porções (2%)
Roda dos Alimentos

A água está também representada no centro, pois faz parte da constituição de quase todos os alimentos e, sendo imprescindível à vida, é fundamental que se beba em abundância diariamente. Cada um dos grupos apresenta funções e características nutricionais específicas, pelo que todos eles devem estar presentes na alimentação diária, não devendo ser substituídos entre si, mas podendo e devendo os alimentos que deles fazem parte ser regularmente substituídos uns pelos outros de modo a assegurar a necessária variedade.

O número de porções recomendado depende das necessidades energéticas individuais. As crianças de 1 a 3 anos devem guiar-se pelos limites inferiores e os homens ativos e os rapazes adolescentes pelos limites superiores; a restante população deve orientar-se pelos valores intermédios.

Roda dos Alimentos

Na apresentação deste novo instrumento, são também tomados em consideração os cuidados a ter com a ingestão de algumas bebidas, de açúcar e produtos açucarados bem como de sal e produtos salgados. É ainda dado destaque à importância da manutenção de um peso saudável e à prática de atividade física moderada e regular.

De uma forma simples são transmitidas as orientações para uma alimentação saudável...

  • ...COMPLETA
  • ...EQUILIBRADA
  • ...E VARIADA
  • Comer alimentos de cada grupo e beber água diariamente
  • Comer maior quantidade de alimentos pertencentes aos grupos de maior dimensão e menor quantidade dos que se encontram nos grupos de menor dimensão, de forma a ingerir o número de porções recomendado
  • Comer alimentos diferentes dentro de cada grupo variando diariamente, semanalmente e nas diferentes épocas do ano.



A roda da alimentação mediterrânica



É uma representação gráfica que assenta na Roda dos Alimentos Portuguesa e que pretende dar ênfase às características do padrão alimentar mediterrânico (PAM), salientando não só a componente alimentar, mas também os elementos inerentes ao seu estilo de vida.


Esta representação gráfica evidencia os alimentos mediterrânicos mais relacionados com o padrão português em cada um dos seguintes grupos:

• óleos e gorduras (azeite/azeitonas - alimento e respetivo fruto de origem);
• hortícolas (cebola, alho, couve galega, grelos, tomate, pimentos, beldroegas...);
• fruta (melão, figo, ameixa, citrinos, nêspera, romã...);
• cereais e tubérculos (batata doce, castanha, massa e arroz integrais, flocos de aveia, pão de centeio, broa...);
• carne, pescado e ovos (peixe, em especial sardinha, carapau, cavala, atum...);
• laticínios (queijo e iogurte);
• leguminosas (todas).


Há ainda duas mensagens relativas a consumos fortemente associados ao PAM, os frutos gordos e o vinho, que são salientados mas não incluídos nos grupos da Roda por não se pretender promover o seu consumo diário. No que respeita ao vinho reforça-se o seu consumo moderado e às refeições, destacando a proibição a crianças, grávidas e aleitantes.


Em simultâneo são veiculados outros princípios associados a este PAM, nomeadamente:

• Respeito pela sazonalidade e preferência pela proveniência local dos alimentos;
• Incentivo à incorporação de ervas aromáticas como veículo de maior sabor em detrimento do abuso do sal de adição;
• Promoção da utilização e transmissão geracional de técnicas culinárias saudáveis tradicionais, como sopas, ensopados e caldeiradas, etc;
• Incentivo ao tempo dedicado à confeção dos alimentos e sua inserção no quotidiano através da partilha com família e amigos;
• Combate ao sedentarismo pelo incremento ao tempo dedicado a atividades de lazer.